Introdução à menopausa

Mulher na menopausa

A menopausa pode ser considerada uma das fases mais complicadas da vida de uma mulher, simplesmente porque desencadeia uma série de alterações desconfortáveis a nível físico, emocional e psíquico. Em Portugal, existem cerca de três milhões de mulheres com menopausa, aos quais acrescem, anualmente, 300 mil novos casos. Rodeado por sintomas, mitos e medos vários, importa conhecer bem a menopausa, o impacto que ela possa ter na sua vida e as formas como atenuar os seus efeitos negativos.

O que é?

Dito de forma muito simples, a menopausa significa a cessação da menstruação, ou seja, se já decorreu um ano desde o seu último período, está oficialmente a viver a menopausa. E não está sozinha. Este é um processo biológico natural e pelo qual todas as mulheres passam, umas com maior facilidade do que outras. Por norma, esta fase da vida feminina – que no fundo se divide em três – ocorre entre os 45 e os 55 anos, altura em que o corpo feminino deixa gradualmente de produzir hormonas sexuais, nomeadamente a progesterona, testerona e estrogénio.

As 3 fases da menopausa

Da mesma forma que “menarca” significa “primeira menstruação”, menopausa significa “última menstruação”, ou seja, a palavra menopausa é, grande parte das vezes, utilizada erradamente para descrever todo o processo de alteração hormonal no corpo feminino. Na realidade, a menopausa tem 3 fases distintas:

  1. Pré-menopausa: engloba toda a fase que antecede o último período, onde as menstruações mantêm-se regulares e não existem alterações significativas dos níveis hormonais. Podendo durar até 15 anos, este termo também é habitualmente utilizado para descrever a etapa imediatamente antes da perimenopausa.
  1. Perimenopausa: esta segunda etapa é aquela registada imediatamente antes e depois da última menstruação e aquela muitas vezes designada de menopausa apenas. No entanto, esta fase é também designada de “climatério” e é nesta altura que se registam as primeiras oscilações hormonais. Embora ainda decorra a produção de estrogénio, a ovulação é menos regular, o que significa uma produção menor de progesterona, ou seja, os períodos passam a ser irregulares. Consequentemente, é durante a perimenopausa que as mulheres vivem intensamente os vários “efeitos secundários” associados à menopausa.
  1. Pós-menopausa: tecnicamente esta fase inicia-se imediatamente depois da última menstruação, mas o termo é apenas aplicado um ano mais tarde, prazo necessário para confirmar efectivamente a menopausa. No entanto, engloba parte da perimenopausa e dos sintomas associados à mesma, até à consequente estabilização dos níveis hormonais. Por esta altura, o corpo feminino, através das células de gordura, produz apenas uma pequena quantidade de estrogénio que rapidamente se decompõe, convertendo a hormona masculina androstanodiona.

Como se manifesta?

A menopausa manifesta-se de diversas formas, variando, naturalmente, de mulher para mulher. Os principais sintomas menopáusicos são os seguintes:

  • Menstruação irregular ou cessação completa da menstruação
  • Diminuição dos níveis de energia
  • Seios sensíveis e inchados
  • Retenção de líquidos
  • Aumento de peso
  • Alterações na pele
  • Dores de cabeça
  • Afrontamentos
  • Diminuição da libido e dificuldades nas relações sexuais (secura e prurido vaginais)
  • Alterações de humor
  • Depressão
  • Irritabilidade
  • Dificuldade de concentração
  • Perda de memória
  • Insónia

Como tratar?

Todas as mulheres que estejam ou pensam estar na fase da menopausa devem ser seguidas por um médico. Existem vários tratamentos hormonais, bem como diversas terapias alternativas que só o seu médico, tendo em conta o seu caso clínico específico, pode aconselhar e receitar. A par disso, existem várias outras recomendações ligadas ao regime alimentar e de exercício físico que pode e deve seguir para atenuar os efeitos desagradáveis da menopausa e poder continuar a viver a sua vida em pleno. Aliás, e citando a célebre Oprah Winfrey: “a menopausa já não é o que era!”.

A sua votação: