Como lidar com a secura vaginal na menopausa

Estima-se que entre 40% e 60% das mulheres sofrem de secura e prurido vaginal durante a menopausa – um sintoma desconfortável e, para muitas mulheres, até embaraçoso, o que faz deste sintoma um que afeta não só o bem-estar físico, mas também o emocional.

O que é a secura vaginal?

A secura vaginal é um dos muitos sintomas menopáusicos sentidos por mulheres com idades compreendidas entre os 40 e os 50 anos e está diretamente ligada às alterações hormonais que caracterizam esta fase da vida feminina. A secura vaginal pode ser clinicamente definida como a falta de humidade adequada na zona vaginal, uma vez que, embora o corpo lubrifique, de forma natural, a parede vaginal, as alterações hormonais associadas à menopausa vêm destabilizar esse processo orgânico. O resultado é a secura, irritação e até infeção vaginal que, manifestando-se de diferentes formas, podem revelar-se de pouco a muito doloroso. Associado ainda a uma redução da libido, a secura vaginal pode afetar uma mulher fisicamente, mas também emocionalmente, uma vez que pode levá-la a sentir-se “velha” e “indesejada”.

Quais as suas causas?

Com a chegada da menopausa, os ovários passam a produzir menos estrogénio e a diminuição dessa produção é a principal causa da secura vaginal. Porquê? O estrogénio é um vasodilatador, responsável pela irrigação sanguínea da vagina, por isso, quando os seus níveis começam a baixar, as paredes vaginais tornam-se mais finas, mais secas e menos flexíveis. Para além disso, verifica-se uma diminuição das secreções vaginais e, como consequência direta, uma menor lubrificação vaginal; mas também alterações do nível de pH na vagina. Pode ainda verificar-se um atrofiamento da vagina uma vez que, com a falta de estrogénio, a camada superficial que normalmente protege a vagina pode encolher ou deixar mesmo de existir. Consequentemente, o resultado é uma maior propensão para a secura, irritação e infeção vaginal sobre diversas e até dolorosas formas.

Outras causas frequentes

Existem ainda alguns fatores exteriores à menopausa que podem causar ou contribuir para a secura vaginal:

Fatores físicos – doenças autoimunes (por exemplo: síndrome de Sjogren); infeções (bacterianas, virais, sexualmente transmitidas); alguns medicamentos (anti-histamínicos, antigripais, antidepressivos, tratamentos de cancro…); consumo exagerado de café, álcool e tabaco.

Fatores emocionais – stress, depressão, ansiedade, alterações de humor, problemas no relacionamento a dois.

Fatores ambientais – duches vaginais; reação alérgica a sabonetes, gel de banho, detergente ou amaciador da roupa; vestuário apertado e/ou com tecidos sintéticos.

Como se manifesta?

A secura vaginal pode ser acompanhada de vários outros sintomas, igualmente desagradáveis, e que incluem: comichão, picadas, irritação, ardência, pressão, urinar com frequência, menos lubrificação vaginal, relações sexuais dolorosas, hemorragias após a relação sexual, desconforto ao vestir calças, desconforto generalizado e infeções vaginais diversas.

O que fazer?

Existem várias formas de lidar com a secura vaginal e, como cada caso é um caso, o melhor é mesmo cada mulher experimentar diferentes soluções de forma a descobrir aquela com que se sente bem e que melhore se adequa ao seu estilo de vida. Porém, o mais importante é consultar o seu médico assistente, de forma a verificar, em primeiro lugar, qual a(s) causa(s) da secura vaginal.

  • Seguir uma alimentação saudável, privilegiando o consumo de soja e linhaça.
  • Manter-se hidratada, ou seja, beber bastante água.
  • Evitar o uso de sabonetes ou gels de banho perfumados.
  • Evitar os duches vaginais e ter sempre o cuidado de se limpar na direção vagina-ânus, para evitar a propagação de bactérias.
  • Lavar a roupa interior com um detergente suave.
  • Evitar roupa muito justa e/ou confecionada com fibras sintéticas.
  • Experimentar um hidratante vaginal, de preferência natural.
  • Utilizar um lubrificante nas relações sexuais.
  • Manter uma vida sexual ativa, isto porque ajuda a manter a saúde vaginal.
  • Algumas terapias alternativas como a acupuntura, o biofeedback, a homeopatia, a hipnoterapia e as massagens são frequentemente utilizadas para combater este e outros sintomas habitualmente associados à menopausa.
  • As ervanárias também dispõem de alguns medicamentos alternativos, utilizados para o tratamento da secura vaginal, caso do cohosh negro ou a raiz de alcaçuz.
  • O tratamento de substituição hormonal, à base de medicamentos orais, é uma das terapias mais utilizadas na menopausa e pode também ser adequada para o tratamento da secura vaginal.
  • A terapia de estrogénio vaginal é outra alternativa, existindo sobre a forma de cremes, supositórios, anéis e pastilhas vaginais.
A sua votação: