Como lidar com as dores nas articulações durante a menopausa

Costas de uma mulher

A menopausa diminui consideravelmente a produção das hormonas femininas, nomeadamente o estrogénio e a progesterona. Esta diminuição faz com que a mulher que entra nesta nova etapa da sua vida experimente sintomas diversos, como ondas de calor, irritabilidade, ansiedade e o aumento de peso. No entanto, um dos sintomas que as mulheres mais frequentemente referem como sendo mais incómodo na menopausa são as dores nas articulações. Um detalhe no meio de uma mudança tão complicada? Não… as dores nas articulações podem condicionar até a própria qualidade de vida.

Dores nas articulações. Porquê?

A dor nas articulações, designada por artralgia, é definida como um incómodo e um inchaço que surgem numa articulação e que podem ser sentidos a partir dos 45 anos de idade e até à entrada real na menopausa.

As articulações possuem recetores da hormona estrogénio, que atuam como um anti-inflamatório natural e que, na menopausa, deixa de ser produzida, podendo causar dores generalizadas nas articulações. Estes sintomas podem começar a ser sentidos alguns anos antes da entrada na menopausa propriamente dita, já que, por volta dos 45 anos de idade, a mulher pode começar a sofrer de flutuações acentuadas das hormonas.

As dores sentidas nas articulações são muitas vezes generalizadas, trazendo ainda sintomas acrescidos como o calor, rigidez e inchaço na zona afetada. É também comum que, ao levantar-se, a mulher sinta dificuldade de movimentos, os quais surgem precisamente devido à rigidez das articulações.

A importância do acompanhamento médico

É sabido que, logo a partir dos 45 anos, as mulheres devem ter acompanhamento médico, no sentido de prevenir os sintomas e complicações inerentes à menopausa. Ao entrar nesta nova fase da vida, é importante que a mulher esteja atenta às dores nas articulações, devendo marcar uma consulta, caso as dores persistam mais de três dias seguidos, caso surja febre ou ainda se a dor nas articulações se fizer acompanhar de perda repentina de peso.

No fundo, trata-se de não desvalorizar o problema. As dores nas articulações em mulheres em fase menopáusica podem inclusivamente condicionar a qualidade de vida e a mobilidade, pelo que não se trata de uma consequência inevitável da menopausa. Até porque, ao ser acompanhada por um especialista, a mulher será orientada para uma das seguintes formas de tratamento:

  • Suplementos específicos para as cartilagens, como é o caso de suplementos à base de cartilagem de tubarão, glucosamina e condoitrina
  • Suplementos à base de óleos gordos como, por exemplo, o ómega 3, que apresenta benefícios na saúde das articulações
  • Pomadas anti-inflamatórias, que podem ajudar a diminuir a dor
  • Suplementos alimentares com estrogénios de origem vegetal, apropriados para as mulheres na menopausa, que aliviam muitos dos sintomas causados por esta fase na vida das mulheres
  • Terapia de substituição hormonal

Sim, é possível evitar as dores nas articulações!

A entrada na menopausa é algo incontornável para todas as mulheres. Mas já é possível fazer com que esta etapa seja menos dolorosa, preparando-a desde cedo. É importante que se garantam hábitos de vida saudáveis e que se pratique exercício físico com regularidade, mantendo o peso no intervalo de IMC (índice de massa corporal) saudável.

Se já se encontra na menopausa e quer evitar as dores nas articulações, não se esqueça de:

  • Evitar hidratos de carbono refinados e muito processados, que estão relacionados com a inflamação, podendo desencadear ou aumentar a dor nas articulações
  • Evitar o desgaste das articulações através de posturas corporais desadequadas
  • Fazer alongamentos todos os dias, durante 5 minutos
  • Fazer uma caminhada diária
  • Apostar na fisioterapia e/ou nas massagens, se as dores forem já muito incómodas
A sua votação: